[ 25/11/2014 ]
Após sete anos, Volkswagen troca comando...

[ 25/11/2014 ]
Iveco vai construir um novo Distrito Ind...

[ 25/11/2014 ]
Hyundai e Kia elevam meta de vendas glob...

[ 25/11/2014 ]
Governo dá incentivo fiscal para a produ...

[ 25/11/2014 ]
Ford Ka é eleito melhor carro e melhor d...

[ 25/11/2014 ]
Foton Caminhões alcança segundo lugar em...

[ 25/11/2014 ]
Inauguração Audi...

[ 25/11/2014 ]
O dólar não contenta, mas revela...

[ 25/11/2014 ]
Receita líquida da Randon recua 17,7%...

[ 25/11/2014 ]
Aplicativo dedo-duro permite denunciar p...

[ 25/11/2014 ]
Parceria entre Renault e Itaipu inicia m...

[ 24/11/2014 ]
Lojas se preparam para novo IPI e carro ...

[ 24/11/2014 ]
STF começa a julgar tributação de carro ...

[ 24/11/2014 ]
Volkswagen revela investimentos multibil...

[ 24/11/2014 ]
Governo reduz meta de superávit para R$ ...

[ 24/11/2014 ]
Criação de vagas até outubro é a menor e...

[ 24/11/2014 ]
Fiat 500 Abarth já tem preço confirmado:...

[ 24/11/2014 ]
Futuro sistema vai usar reconhecimento f...

[ 24/11/2014 ]
Van Damme salvará o setor de caminhões?...

[ 24/11/2014 ]
Volvo diz esperar que perdas com crédito...




 

Data: 25/11/2014

Após sete anos, Volkswagen troca comando da operação brasileira
A Volkswagen do Brasil terá novo presidente a partir de 1.º de janeiro. O sul-africano David Powels assumirá o posto em substituição ao alemão naturalizado brasileiro Thomas Schmall, que ganhou novo cargo na matriz, na Alemanha. Ele passa a ser membro do Conselho de Administração e será responsável pela área global de componentes.

Powels, de 52 anos, já trabalhou no Brasil como vice-presidente de Finanças e Estratégia Corporativa entre 2002 e 2006 e, desde 2007, é diretor-geral da Volkswagen da África do Sul.

Como membro do conselho, Schmall participará das decisões globais da companhia e terá papel importante nos planos de investimentos futuros para América do Sul e Brasil.

Aos 50 anos, Schmall está à frente da subsidiária brasileira desde 2007, período em que as fabricantes “novatas” no País, como Renault e Hyundai, intensificaram atuação e as marcas tradicionais perderam participação nas vendas.

Entre as quatro maiores montadoras, a Volkswagen foi a que mais perdeu participação no período, de 23% para 17,5%; seguida pela Fiat, de 26% para 21,4%; e pela General Motors, de 21,4% para 17,4%. A Ford saiu de uma fatia de 10,6% para 9%.

Schmall deixará o País, num momento em que o Gol, modelo mais vendido da marca e líder no mercado brasileiro por 27 anos, está perto de perde a liderança para o Fiat Palio.

Até sexta-feira, o concorrente vendeu no ano 156.389 unidades, 602 mais que o Gol, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

O executivo explica que os números incluem dois modelos do Palio, o novo e o antigo, enquanto os do Gol são apenas da versão renovada do modelo. O G4 deixou de ser feito no início do ano, por não ter estrutura para receber freio ABS e airbag, itens que passaram a ser obrigatórios em todos os carros.

“Se a comparação for apenas entre as plataformas novas, temos o dobro de vendas”, diz Schmall, que ainda não jogou a toalha em relação à rival. “O Gol é um vencedor e será uma briga boa até o fim do ano.”

Em compensação, o compacto up!, que em tese entrou no lugar do G4, vendeu, desde março, 47.910 unidades.

Global

Entre seus feitos, Schmall conseguiu trazer para o Brasil, além do up!, a produção do novo Golf e do novo Jetta, que serão feitos a partir de 2015 nas fábricas de São José dos Pinhais (PR) e São Bernardo do Campo (SP), respectivamente.

“Antes, havia os produtos globais e os produtos do Brasil; agora o País está inserido na tecnologia global”, diz Schmall. Para isso, diz ele, foi necessário recuperar a confiança da matriz, que hoje vê o Brasil como “um dos principais jogadores mundiais”.

A Volkswagen está aplicando R$ 10 bilhões no País no período de 2012 a 2016 e Schmall vê como desafio para seu sucessor manter investimentos no Brasil. Ele afirma que o mercado passa por uma fase de queda atualmente, mas tem grande potencial de crescimento.

O mercado brasileiro neste ano registra queda de 8,9% nas vendas, em relação ao mesmo período do ano passado, com 2,833 milhões de unidades (incluindo caminhões e ônibus) até outubro. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) projeta até o fim de dezembro uma melhora nos negócios, com esse porcentual de queda sendo reduzido para 5% a 6%.

Para o mercado voltar a crescer e a indústria ser mais competitiva, Schmall diz que a economia brasileira precisa crescer entre 2% a 3% ao ano e que são necessárias reformas, como a tributária e trabalhista.

A Volkswagen vendeu 471,6 mil automóveis e comerciais leves de janeiro a outubro, 14,7% abaixo dos números de igual período de 2013. A queda para a GM foi de 12,6% (469,3 mil unidades), e de 11,9% para a Ford (244 mil unidades). A Fiat vendeu 576,2 mil unidades, 9,7% menos que no ano passado.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Cleide Silva





 

Data: 25/11/2014

Iveco vai construir um novo Distrito Industrial em Sete Lagoas
A CNH Industrial realizou semana passada, um evento sobre a apresentação de um novo Distrito Industrial em Sete Lagoas. O projeto foi lançado na Associação Comercial e Industrial de Sete Lagoas (ACI), e será dedicado à Iveco, marca de veículos de transportes e de defesa da companhia. O Distrito Industrial de Sete Lagoas II será localizado ao lado da fábrica da empresa, na rodovia MG 238, em uma área de 257 mil m², reunindo os principais fornecedores de autopeças, o que acarretará em ganhos logísticos, de custos e tempo para a empresa.

O empreendimento vem se desenvolvendo há sete anos, em reuniões com a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), e foi criado a partir das necessidades estratégicas das plantas da CNH Industrial na região. A iniciativa possui um grande diferencial: o moderno e eficiente Complexo Industrial em Sete Lagoas, que abrange a fábrica de caminhões e ônibus da Iveco, assim como sua planta de veículos de defesa e a unidade de fabricação de motores diesel da FPT Industrial.

“É o começo de um novo processo de produção, pois teremos parte dos fornecedores por perto. Atualmente, cerca de 35% da compras de material direto da Iveco Sete Lagoas são em Minas Gerais. Com o novo Distrito, somado ao processo de localização, a expectativa é que esse percentual aumente de 10 a 15%, o que irá nos garantir mais competitividade em toda a região”, afirma Osias Galantine, novo diretor de compras da CNH Industrial para a América Latina.

A próxima fase do empreendimento é fechar os contratos com os fornecedores que foram previamente selecionados. Segundo Galantine, muitos já demonstraram interesse em vir para Minas Gerais. “Esses investidores, que têm fábricas em outras regiões do Brasil ou do exterior, ao escolherem Sete Lagoas, além de serem fornecedores da Iveco, eles ampliam as perspectivas da cidade, oferecendo condições competitivas, como já acontece com outros municípios brasileiros”, afirma o diretor.

O novo Distrito vai beneficiar não apenas o campo industrial da cidade, mas também a geração de empregos, onde a expectativa é de que sejam gerados mais de 700 novos empregos diretos, além de impostos, receitas e lucros para o município e o estado.

Dentre os presentes no evento, estavam o prefeito em exercício Dr. Ronaldo João, o vereador Pr Fabrício (PMN), Márcio Paulino e o diretor de água e esgoto do SAAE Adriano França. Márcio Reinaldo também deixou uma mensagem gravada através de um vídeo, que foi exibido no evento, apresentando Sete Lagoas aos investidores de fora.

Fonte : Portal Sete/Rafael Souza





 

Data: 25/11/2014

Hyundai e Kia elevam meta de vendas globais em 2014 com ajuda de emergentes
A Hyundai Motor e a Kia Motors elevaram nesta segunda-feira sua meta de vendas globais em 2014 para pelo menos 8 milhões de veículos, antecipando que recordes de alta na China irão compensar o fraco crescimento nos Estados Unidos e Europa.

As montadoras da Coreia do Sul, que juntas ocupam o quinto lugar em vendas globais de veículos, disseram em um comunicado que a nova meta de vendas representará um aumento de quase 6 por cento sobre o ano passado.

As vendas deste ano também serão impulsionadas por números mais altos da Índia, Rússia e Brasil, acrescentaram as montadoras.

Novos lançamentos e maior fabricação local vão ajudar Hyundai e Kia a venderem neste ano mais carros na China, o maior mercado de automóveis do mundo, disse Suh Sung-moon, analista da Korea Investment & Securities.

Ele afirmou que é provável que a Hyundai não atinja sua meta de vendas nos EUA para este ano após uma recepção mais fraca que o esperado para o seu novo sedã Sonata em seu maior mercado depois da China.

Na Europa, a Hyundai espera ver uma recuperação de vendas impulsionada por seu novo modelo i20, que será lançado este mês.

Hyundai e Kia haviam definido em janeiro uma meta de vendas globais de 7,86 milhões de veículos para este ano.

Fonte : Reuters/Hyunjoo Jin





 

Data: 25/11/2014

Governo dá incentivo fiscal para a produção de biodiesel
O Diário Oficial da União publicou no último dia 21 instrução normativa que suspende a incidência da contribuição para o PIS/Pasep e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) na aquisição de matérias-primas destinadas à produção de biodiesel. O objetivo, informou a Receita Federal, é dar mais estímulos ao setor.

Pela instrução fica suspensa a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins sobre as receitas decorrentes das vendas de matéria-prima in natura de origem vegetal destinadas à produção de biodiesel, quando efetuadas por pessoa jurídica que exerça atividade agropecuária, cooperativa de produção agropecuária ou pessoa jurídica cerealista.

Atividade agropecuária, diz a instrução, engloba a produção e comercialização da produção agropecuária pelas cooperativas, incluindo ainda o beneficiamento da produção; cerealista, de acordo com a mesma instrução, é a pessoa jurídica que limpa, padroniza, armazena e comercializa matérias-primas de origem vegetal destinadas à produção de biodiesel.

O biodiesel, destaca o Ministério de Minas e Energia, é combustível biodegradável derivado de fontes renováveis como óleos vegetais e gorduras animais. Existem diferentes espécies de oleaginosas no Brasil que podem ser usadas para produzir o biodiesel. Entre elas estão mamona, dendê, canola, girassol, amendoim, soja e algodão. Matérias-primas de origem animal, como o sebo bovino e gordura suína, também podem ser utilizadas na fabricação do biodiesel. ()

Fonte : Agência Brasil/Daniel Lima





 

Data: 25/11/2014

Ford Ka é eleito melhor carro e melhor design da América Latina no Americar
A segunda edição do Prêmio Americar (Associação América Latina da Imprensa de Carros) consagrou o Ford Novo Ka em dose dupla. O modelo - que acaba de sofrer aumento de preços - foi escolhido o Melhor Carro América Latina, com 39,3% dos votos de uma seleção de jornalistas especializados da região. O segundo lugar ficou com o Volkswagen up!, com 33,3%.

Foram finalistas Toyota Corolla, Fiat Novo Uno e Hyundai HB20. Concorriam todos os carros fabricados do México à Argentina.

O outro prêmio conquistado pelo Novo Ka foi o de Melhor Design América Latina. A nova geração do compacto foi projetada e desenvolvida no Brasil.

Com os resultados deste ano, a Ford comemora uma espécie de "bicampeonato" no Americar: em 2013, o Ford Focus foi eleito o melhor carro da América Latina, seguido de perto pelo New Fiesta.

Fonte : UOL Carros





 

Data: 25/11/2014

Foton Caminhões alcança segundo lugar em ranking
Segundo dados fornecidos pela Beiqi Foton Motor Co. Ltd. - maior montadora de caminhões da China, e em volume, a maior do mundo - a Foton Caminhões, representante exclusiva da marca no Brasil, já obteve o segundo lugar no ranking de maiores importadoras de caminhões leves da América Latina, no período de janeiro a outubro de 2014.

De um total de 5.089 importações, a Foton registrou um total de 1.073 unidades importadas para o Brasil. As demais regiões incluídas no ranking são principalmente Colômbia, Chile, Peru, Bolívia, Paraguai e Uruguai. Na opinião de Bernardo Hamacek, CEO da Foton Caminhões, “este balanço é importante, pois demonstra a força como a marca está atuando no País”.

Em abril de 2014 a empresa iniciou as obras da sua fábrica no Brasil, na cidade de Guaíba, no Estado do Rio Grande do Sul, com um plano de investimentos de R$ 250 milhões e capacidade de produção de 20 mil caminhões por ano, que alcançará num período de 10 anos. A previsão é que o primeiro caminhão brasileiro deixe a linha de montagem em 2016. Neste período, a Foton Caminhões continuará o processo de expansão de sua rede de concessionárias que já conta com mais de 24 revendas, e até o final de 2016 terá mais de 50 concessionários operando em todo território nacional.)

Fonte : Frota & Cia





 

Data: 25/11/2014

Inauguração Audi
A Audi Center Uberlândia será reinaugurada dia 25 de novembro no mesmo endereço, mas com espaço duas vezes maior. Entre os oito modelos em exposição no showroom estarão o superesportivo R8, o recém-chegado A8 L W12 e os modelos que serão produzidos no Brasil: A3 Sedan e Q3. A concessionária é parte do projeto de expansão da Audi no país. Parabéns e votos de sucesso.

Fonte : Gazeta do Triângulo





 

Data: 25/11/2014

O dólar não contenta, mas revela
As montadoras de automóveis têm cadeira cativa nos gabinetes em Brasília, ironizam representantes de outros setores da economia, quando instados a comentar sobre demanda setorial por incentivos ou desempenho de cadeias produtivas. E a agenda de autoridades nesta quinta-feira sanciona o comentário ao menos quanto à frequência com que representantes da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) têm reuniões na Esplanada dos Ministérios. Luis Moan, presidente da entidade tem encontro agendado com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para o final desta manhã. À tarde, Moan e a diretoria da Anfavea reúnem-se com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloysio Mercadante, e o ministro do Desenvolvimento, Mauro Borges, para debater a possibilidade de elevar a proporção de etanol na gasolina para 27,5%. O debate será feito a partir de um estudo técnico conduzido pela Petrobras. Há menos de duas semanas, A Anfavea esteve com o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Marcio Holland, também em Brasília, para apresentar dados de conjuntura e desempenho do setor.

Moan informou à imprensa naquele momento, que a entidade apresentaria ao governo, ainda em novembro, uma proposta de acordo entre Brasil e Colômbia a fim de elevar as exportações do setor. O executivo considerou a taxa de câmbio altamente prejudicial à competitividade do setor, há quase duas semanas, comentando que, em 2005, o setor exportou cerca de um milhão de veículos com câmbio a R$ 2,50 e, agora, nove anos depois, a taxa está no mesmo lugar.

Nesta última quinta-feira, de mercado financeiro paralisado pelo feriado em São Paulo, os negócios com a moeda americana podem ser considerados marginais. O Banco Central já divulgou três taxas Ptax – taxa de câmbio calculada pelo Banco Central com base em consultas junto ao mercado – e estão em queda. Na terceira leitura do BC,o dólar é cotado a R$ 2,5380 ante a segunda leitura, a R$ 2,5523 e R$ 2,5510 da primeira Ptax. Sem liquidez nos negócios, a taxa de câmbio está mais para R$ 2,53 do que para R$ 2,57, para inquietação da indústria, embora no fim da semana passada tenha sido alçada ao patamar de quase R$ 2,63. Neste caso, para inquietação absoluta do governo por estar traduzindo puro nervosismo do mercado financeiro com os desdobramentos da Operação Lava-Jato e a ausência de perspectivas para a economia no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

Fonte : Valor Econômico





 

Data: 25/11/2014

Receita líquida da Randon recua 17,7%
A fabricante de implementos rodoviários Randon informou na sexta-feira (21) que a receita líquida consolidada no mês de outubro apresentou recuo de 17,7% na comparação anual, para R$ 323,1 milhões.

A empresa gaúcha, uma das maiores do segmento no mundo, vem sofrendo com a baixa dos emplacamentos de caminhões no mercado doméstico. Segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), de janeiro a outubro as vendas de caminhões atingiram 111,2 mil unidades, queda de 13,4% em relação a igual período de 2013.

Em comunicado, a Randon acrescentou que a receita líquida consolidada acumulada até outubro caiu 10,4% ante os dez primeiros meses de 2013, para R$ 3,19 bilhões.

Mercado em queda

A produção e as vendas de implementos rodoviários, de janeiro a outubro, apresentaram recuo de 10,97% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir).

Segundo a entidade, a situação de retração no setor se deve à queda da atividade econômica do Brasil.

"A indústria de implementos rodoviários é afetada diretamente pela conjuntura econômica e pelo cenário atual, que está desfavorável para os negócios do setor", afirmou em comunicado o presidente da Anfir, Alcides Braga.

As perspectivas para 2015 são incertas, acrescentou o executivo. "Para o próximo ano, a Anfir aguarda a definição da política de juros", diz.

O segmento de reboques e semirreboques (pesado) - o mais afetado pelo recuo dos emplacamentos de caminhões no mercado brasileiro - teve retração de 18,53% de janeiro a outubro de 2014. Nesse período, a indústria entregou 46,7 mil implementos contra 57,3 mil unidades nos dez primeiros meses de 2013.

Já o segmento de carroceria sobre chassis (leve) registrou retração de 6,16% na mesma base de comparação. De janeiro a outubro, foram entregues 84,4 mil implementos leves ante as 89,9 mil unidades em igual período de 2013.

Fonte : DCI/Juliana Estigarríbia





 

Data: 25/11/2014

Aplicativo dedo-duro permite denunciar problemas em estradas de São Paulo
A Artesp (a agência que regula os serviços de Transporte no Estado de São Paulo) lançou nesta segunda-feira (24) o Eu-Vi, aplicativo que funciona como "dedo-duro" virtual e permite denunciar problemas estruturais em rodovias pedagiadas do Estado, com fotos ou vídeos, que podem ser enviados em tempo real pelo celular.

O projeto cobre 6,4 mil quilômetros de rodovias como Bandeirantes, Raposo Tavares, Anhanguera, Rodoanel, Castelo Branco, Anchieta e Imigrantes. Atenção: rodovias federais ou não pedagiadas estão fora da "área de cobertura" do aplicativo, que também não serve para relatar acidentes. Veja o mapa de cobertura do Eu-vi.

Compatível com celulares da Apple (na App Store) ou com sistema Android (no Google Play), o Eu-Vi funciona assim: após instalá-lo, o usuário tira fotos ou gravar vídeos de até 10 segundos de alguma situação irregular que encontrar na via. Vale buraco no asfalto, placa danificada, animais ou lixo na estrada, bueiro entupido, queimada e outros problemas.

O envio pede, claro, conexão com a internet e reconhecimento do sinal GPS do smartphone, para localização automática do trecho em que se encontra a irregularidade. Se o sinal estiver fraco, o aplicativo guarda o registro e permite o envio posterior.

O registro será enviado diretamente para a ARTESP, que irá acionar a concessionária responsável para responder e solucionar o problema. Há diferentes prazos pré-estipulados para solucionar cada tipo de irregularidade, e até 10 dias para que o usuário receba uma resposta pelo próprio aplicativo. Há também um campo para consulta do status de cada manifestação - enviada (vermelho); em andamento (amarelo); e atendida (verde) -, além do histórico de todos os registros.

UOL Carros preparou uma tabela com todas as irregularidades que podem ser apontadas e seus prazos de resolução.

Problemas que você pode denunciar e prazo de resposta:

Mato alto - Prazo:
imediato
Queimada - Prazo: imediato
Animais na estrada - Prazo: 1 dia
Buraco no asfalto - Prazo: 1 dia
Barreiras de concreto - Prazo: 7 dias
Cercas e defensas metálicas - Prazo: 7 dias
Conservação de pontes, viadutos e túneis - Prazo: 7 dias
Conservação de pontos de ônibus - Prazo:7 dias
Iluminação de passarelas - Prazo: 7 dias
Lixo na estrada - Prazo: 7 dias
Pichação - Prazo: 7 dias
Repintura de placas e faixas de sinalização - Prazo: 7 dias
Canaletas e bueiros - Prazo: 30 dias
Limpeza de placas e faixas de sinalização - Prazo: 30 dias

Se dirigir, não fotografe

UOL Carros lembra que usar o celular ao volante é infração média no CTB (Código de Trânsito Brasileiro), com perda de quatro pontos na CNH (Carteira de Habilitação) e multa de R$ 85,13. A Artesp recomenda que somente passageiros usem o aplicativo, ou que o motorista pare o carro no acostamento antes de registrar uma reclamação.

Fonte : UOL Carros