[ 23/3/2017 ]
Volkswagen já registrou o nome Virtus no...

[ 23/3/2017 ]
Após crescer 56%, Movida busca rentabili...

[ 23/3/2017 ]
Ampliam-se os sinais de recuperação da i...

[ 23/3/2017 ]
Motor MAN D08 ultrapassa 1 milhão de qui...

[ 23/3/2017 ]
Mercedes-Benz negocia mais de 270 ônibus...

[ 23/3/2017 ]
Mercedes-Benz é processada pelo uso do f...

[ 23/3/2017 ]
Fundação Volkswagen promove oficina em S...

[ 23/3/2017 ]
Cuide bem dos limpadores de para-brisa...

[ 23/3/2017 ]
Ford inova na linha de montagem com proj...

[ 23/3/2017 ]
Honda CR-V 2017 vai bem nos testes do II...

[ 22/3/2017 ]
Scania inicia comemorações de 60 anos no...

[ 22/3/2017 ]
Aston Martin sai oficialmente do Brasil...

[ 22/3/2017 ]
Indústria tem produção fraca e ociosidad...

[ 22/3/2017 ]
Movida aposta em aluguel mensal de veícu...

[ 22/3/2017 ]
Movida aposta em aluguel mensal de veícu...

[ 22/3/2017 ]
Tecnologia “Find Mate” chega ao MINI Cou...

[ 22/3/2017 ]
Motorista de ônibus irá receber indeniza...

[ 22/3/2017 ]
Grupo Tracker desenvolve rastreador que ...

[ 22/3/2017 ]
CTN divulga pesquisa com o perfil dos mo...

[ 22/3/2017 ]
Porsche lucra até R$ 53 mil por cada uni...




 

Data: 23/3/2017

Volkswagen já registrou o nome Virtus no Brasil e na Argentina
Já não é mais segredo que a Volkswagen lançará, entre o fim de 2017 e o começo 2018, o novo Polo e sua variante sedã, que será batizada de Virtus. Antes cotado para serem os novos Gol e Voyage, os modelos já apareceram em testes camuflados, e o hatch já deu o ar da graça sem nenhum disfarce na África do Sul. Agora, após os argentinos noticiarem o registro do nome, pesquisamos e descobrimos que o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) brasileiro já tem a patente do nome desde 31 de março de 2016.

O sedã foi revelado como Virtus durante a coletiva de imprensa da Volkswagen no Salão de Genebra, no começo de março. Construído na plataforma MQB A0, uma simplificação da base do Golf, ele atuará num segmento que a marca alemã deixou “esquecido” e com fortes concorrentes, como o Honda City.

Produto da marca para mercados da América Latina (onde perderam espaço nos últimos anos), o Virtus ainda será a base de um novo SUV compacto, baseado no conceito T-Cross Breeze. São esperados os motores 1.0 TSI e 1.4 TSI como parte desta linha.

Fonte : Carplace/Leo Fortunatti





 

Data: 23/3/2017

Após crescer 56%, Movida busca rentabilidade
A Movida, segunda maior locadora de veículos do país, registrou lucro líquido de R$ 32,1 milhões no ano passado, uma queda de 40,1% ante 2015. A receita anual subiu 56%, para R$ 1,9 bilhão.

"O lucro caiu em 2016 porque tivemos despesas financeiras relacionadas ao processo de crescimento da companhia", disse o diretor financeiro e de relações com investidores da Movida, Edmar Lopes. Segundo ele, o ano foi marcado por investimentos ­ na abertura de novas lojas e na expansão da frota ­ que representaram despesas concentradas.

O presidente da Movida, Renato Franklin, disse que a empresa precisava aumentar a estrutura operacional para ser tão competitiva em escala nacional quanto a líder do setor, a Localiza. "Esse é um negócio de escala. Agora temos o tamanho de acordo com o plano de negócios. Estamos agora em condições de rentabilizar a operação", afirmou.

Em 2016, a Movida comprou 12 mil veículos, elevando a frota para 49,135 mil carros. O número de pontos de atendimento de aluguel de veículos subiu de 156 para 183 unidades, enquanto os pontos de vendas de seminovos aumentaram para 59 unidades.

A empresa iniciou a negociação de ações na bolsa no mês passado. "Para mudar de patamar a empresa precisava de uma nova estrutura. Poderíamos não fazer o IPO e ter um crescimento mais suave nos próximos anos, mas a conjuntura atual justifica um crescimento mais rápido", afirmou Franklin, citando o processo de consolidação recente, em que as maiores empresas do setor ­ Localiza, Unidas e Locamerica ­ fizeram associações com estrangeiros ou tentaram captar recursos.

Fonte : Valor Econômico/João José Oliveira





 

Data: 23/3/2017

Ampliam-se os sinais de recuperação da indústria
O consumo aparente de bens industriais (a produção industrial doméstica mais importações e menos exportações) cresceu 2,6% entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Foi o segundo dado positivo seguido após uma longa fase de quedas. Embora tímido, o resultado indica fortalecimento do setor mais atingido pela recessão iniciada em 2014, da qual o País parece estar saindo.

Quando se comparam períodos de 12 meses, o consumo aparente industrial ainda está em queda, porém mais lenta (-8,5% em dezembro e -7% em janeiro). O resultado é atribuído pelo Ipea ao aumento de exportações. A intensidade da recuperação das vendas externas de manufaturados não é comparável à do passado distante, quando o Brasil saía das recessões via exportações, mas já é visível por dados do comércio exterior e análises privadas.

Entre 1.º e 19 de março, as exportações de manufaturados atingiram média diária de US$ 311 milhões, alta de 11% em relação a igual período de 2016, favorecida pelas vendas de automóveis de passageiros, óleos combustíveis, veículos de carga, tubos flexíveis de ferro e aço, hidrocarbonetos e derivados. O fraco desempenho das importações de bens industriais afeta negativamente o consumo aparente de manufaturados, mas há outros indícios positivos.

Entre 2015 e 2016, segundo o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), houve um crescimento de 1,4% nas exportações de manufaturados. O avanço dessas vendas em 2017 tende a ser mais robusto. Não se trata de recuperação dos segmentos industriais de maior intensidade tecnológica (e, portanto, que permitem maiores ganhos para as indústrias), mas de segmentos industriais de baixa intensidade tecnológica, como têxteis, vestuário, calçados e artigos de couro. Não é o ideal, mas o possível.

O Ipea ressalva que os resultados das grandes categorias industriais ainda são heterogêneos, destacando-se, por exemplo, o avanço da produção de bens intermediários, como matérias-primas processadas e usadas na produção de outros bens. O segmento de bens de capital, cuja melhora definiria uma retomada, ainda opera em ritmo insatisfatório.

Fonte : O Estado de S. Paulo





 

Data: 23/3/2017

Motor MAN D08 ultrapassa 1 milhão de quilômetros sem intervenção
A robustez do motor MAN D08 acaba de alcançar um importante marco: uma de suas primeiras unidades vendidas superou 1 milhão de quilômetros em perfeitas condições e sem qualquer intervenção, ou seja, o motor nunca foi aberto para retífica. O pioneiro propulsor equipa o VW Constellation 24.280 de Edison Cicero da Silva, proprietário da Trans Santa Luzia, empresa de transporte de cargas.

O empresário conta que apostou no modelo logo após seu lançamento, em 2012, quando o caminhão surgiu no mercado como o único do segmento que dispensava o uso de Arla 32. “Como cliente dos caminhões Volkswagen há mais de vinte anos, fiz a aquisição e hoje vejo que tomei a melhor decisão”, comemora Edison, que tem doze caminhões em sua frota, todos Volkswagen. Destes, seis são equipados com o motor MAN D08, incluindo sua última aquisição: mais um VW Constellation 24.280, agora na versão V-Tronic.

Edison é cuidadoso com a manutenção, seguida à risca conforme o manual e feita na rede de concessionárias. “Minha frota roda em média 28 mil quilômetros por mês, partindo carregada de São Paulo para toda a região Nordeste. Levo carga seca, desde cosméticos até peças para máquinas e tratores, e preciso de caminhões de confiança, robustos e com a praticidade de não depender de Arla. Também conto com a boa assistência pós-vendas, meus veículos não podem parar, têm que estar disponíveis 24 horas por dia”, destaca.

“Parabenizamos o cliente pelas boas práticas, que sem dúvida contribuíram para que o motor tivesse ótimo desempenho ao longo desses mais de 1 milhão de quilômetros. Casos como este são, sem dúvida, uma importante base de estudo para nossa inovação contínua, característica de nosso DNA”, afirma Ricardo Alouche, vice-presidente de Vendas, Marketing e Pós-Vendas da MAN Latin America.

O motor MAN D08 está disponível em versões de quatro cilindros com potência de 190 ou 230 cv e de seis cilindros para gerar 260 ou 280 cv. Equipado com o MAN D08, o VW Constellation 24.280 é o líder do segmento de semipesados.

Parceria de sucesso

Prestador de serviços da Global Cargo, empresa de transportes multimodal, Edison tem doze caminhões, todos VW Constellation. A preferência remonta a vinte anos, quando ele ainda era motorista.

“Tenho um histórico muito positivo com a Volkswagen Caminhões, com mais veículos que superaram 1 milhão de quilômetros e outros que se aproximam desse marco. Como dizem os motoristas, são caminhões extremamente fortes, verdadeiros tanques”.

Vantagens do motor MAN D08

Uma das principais vantagens do D08 é que o motor não precisa ser abastecido com Arla 32 devido à sua tecnologia EGR de tratamento dos gases. Além da redução no custo operacional, isso garante um melhor aproveitamento do espaço no chassi, pois não há o tanque extra. O sistema também não agrega peso significativo ao veículo e não interfere no encarroçamento do veículo.

O motor já consagrado na América Latina tem desempenho excelente, mesmo em baixas rotações. Em sua versão Euro 5, o MAN D08 está disponível em versões de quatro cilindros com potência de 190 ou 230 cv e de seis cilindros para gerar 260 ou 280 cv, calibrados para garantir a performance ideal para cada aplicação. Sua configuração garante uma série de benefícios como baixo nível de ruído e consumo de combustível, maior intervalo de manutenção e menor emissão de poluentes.

Fonte : Coisas de Agora





 

Data: 23/3/2017

Mercedes-Benz negocia mais de 270 ônibus rodoviários para clientes
As empresas de transporte de São Paulo (Viação Cometa e Grupo Comporte Participações), Espírito Santo (Viação Águia Branca) e Ceará (Viação Expresso Guanabara) adquiriram um total de 273 chassis rodoviários da Mercedes-Benz dos modelos O 500 RS, RSD e RSDD, além do OF 1721L, para suas renovações de frota.

Os veículos são indicados para operações regulares de curtas, médias e longas distâncias, além de serviços no transporte de turismo de luxo. A linha O 500 é uma das mais procuradas pelas empresas do segmento.

O diretor de Vendas e Marketing de Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, Walter Barbosa, explica que a escolha pelos modelos se deve “aos diversos equipamentos e sistemas que ampliam o leque de possibilidades dos clientes na configuração dos ônibus de acordo com as demandas, tipo de operação e condições de topografia”.

Atualmente, a Mercedes-Benz investe na comercialização do pacote tecnológico rodoviário, que garante ganhos às empresas de transporte. O objetivo é priorizar a segurança e vantagens no que se refere a desempenho e elevado conforto para o motorista e os passageiros.

Fonte : Frota & Cia





 

Data: 23/3/2017

Mercedes-Benz é processada pelo uso do funk “Ah, Lelek, Lek, Lek”
Quem não se lembra do vídeo comercial de divulgação do Classe A com o “hit” “Passinho do Volante”, “Ah, Lelek, Lek, Lek”? De acordo com a notícia publicada na coluna do Ancelmo, no site O Globo, a Mercedes-Benz e a produtora Furacão 2000 estão sendo processados pelo MC Federado e os Leleks, autores do funk, por ter utilizado a música sem autorização.

O refrão “AAAAAA Lelek lek lek lek” embalou o primeiro vídeo oficial preparado pela Mercedes-Benz para o lançamento do novo Classe A no Brasil. Foi uma sacada para chamar a atenção do público jovem, principal alvo do novo modelo, e considerada uma aposta ousada na época.

De acordo com a coluna, a 20ª Câmara Cível do Rio já decidiu que a montadora e a produtora vão responder processo pelo uso do funk. Questionada por nossa reportagem, a Mercedes afirmou que o departamento jurídico já está tomando as providências cabíveis e não irá se pronunciar sobre o assunto.

Reveja abaixo o clipe da “discórdia”:

Fonte : Carplace/Julio Cesar





 

Data: 23/3/2017

Fundação Volkswagen promove oficina em São Paulo sobre como participar da 10ª edição do "Volkswagen na Comunidade"
• Oficina de Elaboração de Projetos Sociais é gratuita, aberta à comunidade e será realizada em 28 de março, às 14h, em São Paulo
• Para participar da oficina, os interessados devem se inscrever por meio do site https://neuronio.wufoo.eu/forms/vwc_jab17/
• As inscrições para a 10ª edição do concurso também estão abertas e podem ser feitas no site www.vwnacomunidade.com.br, até 17 de abril
• Concurso já transformou destinos de mais de 471 mil pessoas, ao entregar total de R$ 3,04 milhões em prêmios

A Fundação Volkswagen, em parceria com o SENAC Jabaquara, promoverá no dia 28 de março (terça-feira), às 14h, em São Paulo, a “Oficina de Elaboração de Projetos Sociais”, que apresentará informações detalhadas sobre a 10ª edição do concurso “Volkswagen na Comunidade”, que já está com inscrições abertas. A oficina gratuita orienta as entidades beneficentes sobre como elas podem se inscrever no concurso. Em seu histórico, o “Volkswagen na Comunidade” já beneficiou mais de 471 mil pessoas por meio de 84 prêmios, que totalizam R$ 3,04 milhões.

A oficina é ministrada por representantes da Fundação Volkswagen, tendo como público-alvo gestores de entidades sociais e interessados do terceiro setor. Para participar, basta se inscrever por meio do site https://neuronio.wufoo.eu/forms/vwc_jab17/. As vagas são limitadas. A oficina será ministrada no SENAC Jabaquara (Avenida do Café, 298, Jabaquara, São Paulo, SP).

Na oficina, os participantes receberão dicas de como preencher o formulário para inscrever a entidade no “10º Volkswagen na Comunidade” e sobre como a instituição pode ser apadrinhada por um colaborador da Volkswagen do Brasil/Volkswagen Serviços Financeiros, podendo até mesmo conseguir novos voluntários.

Concurso “Volkswagen na Comunidade” está com inscrições abertas

As inscrições para a 10ª edição do concurso “Volkswagen na Comunidade” já estão abertas e podem ser feitas até 17 de abril por meio do site www.vwnacomunidade.com.br.

Para festejar sua primeira década, o concurso criou uma categoria especial, aumentando para 12 o número de prêmios, que totalizam R$ 480 mil (R$ 40 mil para cada entidade vencedora). Todos os contemplados devem investir o valor recebido para colocar em prática o projeto social que foi inscrito no concurso. A novidade é o “Prêmio Edição Especial 10 Anos”, para a entidade que promoveu o maior impacto social, entre todas que já venceram o concurso, da 1ª à 8ª edição.

Os outros prêmios já são tradicionais. Dez reconhecem projetos sociais inéditos (sendo nove apadrinhados por colaboradores da Volkswagen do Brasil/Volkswagen Serviços Financeiros e um por colaboradores da MAN Latin America - fabricante dos caminhões e ônibus Volkswagen e MAN, com sede em Resende - RJ). O 11º é o “Prêmio de Sustentabilidade”, entregue à entidade já premiada no concurso “Volkswagen na Comunidade 2016” e que melhor aplicou os recursos durante o ano.

Além do prêmio em dinheiro, o concurso oferece um curso de Gestão de Projetos Sociais às entidades vencedoras e também às finalistas, para que seus dirigentes conduzam as ações de forma sustentável. Eles aprendem a administrar seus recursos, captar novos investimentos, estratégias de comunicação, entre outros temas.

Colaboradores engajados e inscrições abertas a todos

Um dos diferenciais do concurso “Volkswagen na Comunidade” é incentivar a atuação social dos colaboradores da Volkswagen do Brasil/Volkswagen Serviços Financeiros e MAN Latin America, pois eles são os padrinhos dos projetos inscritos, ou seja, indicam ações sociais das quais participam voluntariamente ou com as quais estão engajados. Só para ter uma ideia da forte atuação social dentro das empresas, nesses nove anos, 2.003 padrinhos indicaram nada menos do que 4.350 projetos.

A Fundação Volkswagen, no entanto, quer que todas as entidades sociais interessadas possam se inscrever no “Volkswagen na Comunidade”. Por isso, se a entidade não tiver padrinho, a Fundação lhe apresentará um, do seu “banco” de colaboradores que estão querendo se engajar socialmente, seja apadrinhando entidades, ou mesmo iniciando um trabalho voluntário.

Oficinas de Elaboração de Projetos têm versão on-line inédita

Além da versão presencial, a Fundação Volkswagen está oferecendo a “Oficina de Elaboração de Projetos Sociais” de forma on-line no site www.vwnacomunidade.com.br. Com 37 anos, a Fundação Volkswagen é responsável pelos investimentos sociais da Volkswagen do Brasil.

Para informações sobre a Volkswagen do Brasil, acesse: www.imprensavw.com.br

Fonte : Maxpress Net





 

Data: 23/3/2017

Cuide bem dos limpadores de para-brisa
Trepidação, ruídos, falha na limpeza. Esses são alguns dos sintomas que denunciam o momento de trocar as palhetas do limpador de para-brisa.

A borracha dos limpadores pode se deteriorar tanto pelo uso (desgaste causado pelo excesso de atrito com o vidro) quanto durante o período de seca. Isso porque, de acordo com a Bosch, mesmo sem uso o material fica sujeito a maior incidência de sol e raios UV, o que diminui sua durabilidade. Bosch e Dyna recomendam a troca das palhetas ao menos uma vez por ano.

Já o diretor de segurança veicular da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), Marcus Vinicius Aguiar, sugere que o motorista observe se a área de varredura está perfeita, sem deixar rastros de água que a borracha não está limpando.

Além disso, a trepidação do limpador sobre o vidro gera não só falhas na limpeza como também barulho. O diretor da AEA alerta para o fato de que palhetas desgastadas podem causar riscos no para-brisa, com danos irreversíveis ao vidro e prejuízo bem maior.

Veículos que ficam muito tempo parados sob o sol tendem a apresentar deformação na borracha, sintoma que pode ser solucionado com o acionamento esporádico de jato de água e dos limpadores, para hidratação do componente.

Utilização de produtos químicos como querosene pode causar ressecamento da borracha. Os fabricantes recomendam que a limpeza seja feita somente com água.

Manter os limpadores acionados com o para-brisa seco pode forçar o motor elétrico e aumentar o desgaste da borracha.

Os preços variam muito, de acordo com critérios como fornecedor, carro e tipo do limpador (com suporte metálico, mais antigo, ou “flat blade”, inteiramente de borracha, encontrado nos veículos mais atuais). Para o Chevrolet Onix 2013, o par custa R$ 86,90, enquanto para o Honda Civic 2014 ele sai por R$ 181,80 na Mercadocar (2206-5000).

Atenção com a água

Os limpadores são componentes sujeitos a desgaste natural, mas com alguns cuidados é possível elevar sua durabilidade, sem comprometer a segurança.

O diretor da AEA Marcus Vinicius Aguiar alerta para o fato de que o reservatório do limpador deve ser mantido cheio, e com aditivo (detergente) de qualidade. Isso porque a água pura não consegue remover partículas de óleo e gordura que eventualmente respingam no vidro.

Além disso, o detergente é especialmente útil em estradas, pois nessa situação o vidro do para-brisa costuma ficar sujo por causa de insetos. Nesse caso, o ideal é realizar a limpeza antes que os vidros sequem.

Fonte : Jornal do Carro





 

Data: 23/3/2017

Ford inova na linha de montagem com projeto de técnica 3D em fábrica na Rússia
A Ford vem ampliando, cada vez mais, o uso da impressão 3D em suas operações no mundo. Agora, a novidade é um projeto que utiliza componentes produzidos por impressão 3D na linha de montagem. Em fase inicial, em suas fábricas em Vsevolzhk e Naberezhnye Chelny, na Rússia, em parceria com a Sollers, ele tem como objetivo estabelecer um programa inédito de melhoria de eficiência. As peças fabricadas por esse processo garantem maior produtividade na produção e contribuem para a segurança dos operadores nas estações de trabalho.

Neste novo projeto, a Ford Sollers já usa cerca de 30 componentes diferentes produzidos com essa tecnologia. Um deles, por exemplo, é um suporte de segurança que previne o enroscamento das luvas nos equipamentos. O baixo custo de desenvolvimento e fabricação é uma vantagem que estimula a criação de novas aplicações com esse processo. O plano da empresa é ampliar a gama de componentes feitos com a sua própria impressora 3D.

No início de março, a Ford já havia anunciado ser a primeira montadora a testar a impressora Stratasys Infinite Build 3D para a produção de peças automotivas grandes. Nessa etapa, os componentes são destinados à aplicação em protótipos, veículos personalizados e de competição. Capaz de imprimir peças para automóveis de praticamente qualquer forma ou tamanho, essa nova técnica de impressão 3D pode revolucionar a fabricação de componentes de baixo volume e também de ferramentas.

A criação de uma peça por esse processo começa com o desenho de um modelo virtual usando um software especial, que divide o componente em fatias muito finas. A partir daí, a impressora 3D reconstrói a peça camada por camada, depositando plástico fundido até que ela esteja completa. Os benefícios da impressão 3D na área automotiva incluem a produção de peças mais leves para aumentar a economia de combustível. Um aerofólio impresso em 3D, por exemplo, pode pesar a metade do seu equivalente em metal fundido.

Fonte : Portal CIMM





 

Data: 23/3/2017

Honda CR-V 2017 vai bem nos testes do IIHS e ganha Top Safety Pick +
Um dos principais produtos da Honda na América do Norte, o CR-V de nova geração foi posto à prova nesta semana pelo IIHS (Insurance Institute for Highway Safety). Classificado de forma positiva na maioria das provas (incluindo o temido small-overlap), o modelo recebeu o prêmio Top Safety Pick + – título concedido especialmente para os carros que alcançam o melhor desempenho nos testes.

De acordo com relatório da instituição, o SUV foi classificado como “bom” em todas as provas de impacto da bateria. Até no desafiador small-overlap o resultado foi satisfatório, com indicativo de baixo risco de lesões aos ocupantes em cenários similares aos do mundo real.

Oferecido como opcional, o sistema de frenagem de emergência foi provado a velocidades de 20 km/h e 40 km/h, recebendo a classificação “superior”. Também fez parte do pacote Top Safety Pick + o sistema de faróis de LED da versão Touring avaliada, com classificação “aceitável”. Variantes com lâmpadas halógenas foram classificadas apenas como “marginal”.

Novo CR-V no Brasil

Sucesso de vendas nos Estados Unidos, o CR-V 2017 é bastante aguardado por aqui. Consultada por nossa reportagem, a Honda disse que o modelo tem estreia nacional prevista para o fim de 2017 e início de 2018. Chegará nas versões de topo para se distanciar do HR-V, que tem preço de R$ 105.900 na configuração mais cara.

Fonte : Carplace/Dyogo Fagundes