[ 1/9/2015 ]
Brasil e Uruguai fecham novo acordo auto...

[ 1/9/2015 ]
Mercedes-Benz volta atrás em 1,5 mil dem...

[ 1/9/2015 ]
Facilidade na venda de carro usado benef...

[ 1/9/2015 ]
Brasil responde a questionamento na OMC ...

[ 1/9/2015 ]
Primeiro popular japonês no Brasil, Marc...

[ 1/9/2015 ]
Seminovos chineses valem 30% menos que o...

[ 1/9/2015 ]
Site “Peça Chevrolet” permite consulta e...

[ 1/9/2015 ]
Coca-Cola utilizará veículo 100% elétric...

[ 1/9/2015 ]
Fiat Chrysler diz que seria "irracional"...

[ 31/8/2015 ]
Montadoras voltam ao exterior...

[ 31/8/2015 ]
Metalúrgicos da Volkswagen aceitam conge...

[ 31/8/2015 ]
Economia do Brasil tem pior 2º trimestre...

[ 31/8/2015 ]
Insegurança jurídica com mudanças nos im...

[ 31/8/2015 ]
Mercedes-Benz e sindicato seguem sem aco...

[ 31/8/2015 ]
Andamos no renovado e bruto Agrale Marru...

[ 31/8/2015 ]
Chrysler 300C volta ao Brasil para dispu...

[ 31/8/2015 ]
Nissan Note flagrado no Brasil é na verd...

[ 31/8/2015 ]
Fim de produção: GM retira Chevrolet Cel...

[ 31/8/2015 ]
Cientistas transformam CO2 do ar em fibr...

[ 28/8/2015 ]
Brasil fecha acordo para exportar mais v...




 

Data: 22/6/2012

MDIC estuda incentivos para setores químico e autopeças
 
A secretária de Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Heloísa Menezes, disse nesta quinta-feira que o governo estuda incentivos para as indústrias química e de autopeças. Sem detalhar o que está sendo avaliado e qual o prazo para o anúncio das ações, ela disse que há grupos de trabalho que avaliam diversas opções que ajudariam a dar competitividade a esses setores.

Segundo a secretária, medidas de incentivo para a indústria de autopeças são necessárias para garantir o abastecimento do setor automotivo nacional. "O regime automotivo mostrou sinais de necessidade de fortalecimento da indústria de autopeças", disse a secretária, enfatizando que não se trata de um ’pacote’, mas medidas pontuais em avaliação.

A secretária participou da abertura do Encontro do Comitê de Cooperação Econômica Brasil-Coreia, realizado na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em São Paulo. Em palestra, Byoung-jun Song, presidente do Instituto de Comércio e Economia Industrial da Coreia (Kiet), disse que no processo de reestruturação da indústria coreana, a partir da década de 60, o governo adotou medidas de proteção à indústria nacional.

Ao ser questionada se o Brasil segue o mesmo caminho ao estabelecer índice mínimo de uso de peças nacionais pelo setor automotivo, Heloísa rechaçou o termo protecionismo e disse que o governo brasileiro adota medidas para estimular a inovação e o investimento, inclusive por empresas estrangeiras no País. "Não considero essas medidas protecionistas e sim indutoras do desenvolvimento", disse.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Agência Estado/Wladimir D´A.