[ 23/4/2014 ]
Proposta indecorosa...

[ 23/4/2014 ]
Reunião em São Paulo vai discutir comérc...

[ 23/4/2014 ]
Montadoras tentam derrubar rastreadores...

[ 23/4/2014 ]
Lenta recuperação da Europa e EUA vira b...

[ 23/4/2014 ]
PSA alcança 1,5 milhão de motores fabric...

[ 23/4/2014 ]
Produção global de aço cresce 2,7% em ma...

[ 23/4/2014 ]
Sindipesa cria divisão de guindastes...

[ 23/4/2014 ]
Mercedes-Benz diz que fábrica em Pequim ...

[ 23/4/2014 ]
Fabricante automotiva chinesa Geely deve...

[ 23/4/2014 ]
Longe do Brasil, Fiat 500L é visto na Ar...

[ 22/4/2014 ]
Montadoras e sindicatos querem usar o se...

[ 22/4/2014 ]
Anfavea: Ministro e secretário vão à Arg...

[ 22/4/2014 ]
Chevrolet S10 atinge a marca de 150 mil ...

[ 22/4/2014 ]
Renault anuncia investimento no País e p...

[ 22/4/2014 ]
Lexus IS 250 tenta tornar marca japonesa...

[ 22/4/2014 ]
Motores três cilindros vieram para ficar...

[ 22/4/2014 ]
É possível economizar até 33% de combust...

[ 22/4/2014 ]
Yuppies chineses aguçam montadoras...

[ 22/4/2014 ]
Volkswagen expande operações na China, d...

[ 22/4/2014 ]
GM investe para chegar a 5 milhões de ca...




 

Data: 22/6/2012

MDIC estuda incentivos para setores químico e autopeças
 
A secretária de Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Heloísa Menezes, disse nesta quinta-feira que o governo estuda incentivos para as indústrias química e de autopeças. Sem detalhar o que está sendo avaliado e qual o prazo para o anúncio das ações, ela disse que há grupos de trabalho que avaliam diversas opções que ajudariam a dar competitividade a esses setores.

Segundo a secretária, medidas de incentivo para a indústria de autopeças são necessárias para garantir o abastecimento do setor automotivo nacional. "O regime automotivo mostrou sinais de necessidade de fortalecimento da indústria de autopeças", disse a secretária, enfatizando que não se trata de um ’pacote’, mas medidas pontuais em avaliação.

A secretária participou da abertura do Encontro do Comitê de Cooperação Econômica Brasil-Coreia, realizado na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em São Paulo. Em palestra, Byoung-jun Song, presidente do Instituto de Comércio e Economia Industrial da Coreia (Kiet), disse que no processo de reestruturação da indústria coreana, a partir da década de 60, o governo adotou medidas de proteção à indústria nacional.

Ao ser questionada se o Brasil segue o mesmo caminho ao estabelecer índice mínimo de uso de peças nacionais pelo setor automotivo, Heloísa rechaçou o termo protecionismo e disse que o governo brasileiro adota medidas para estimular a inovação e o investimento, inclusive por empresas estrangeiras no País. "Não considero essas medidas protecionistas e sim indutoras do desenvolvimento", disse.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Agência Estado/Wladimir D´A.