[ 12/12/2017 ]
General Motors abre terceiro turno em Gr...

[ 12/12/2017 ]
Brasil e Argentina terão "carro comum"...

[ 12/12/2017 ]
Sindipeças projeta déficit comercial men...

[ 12/12/2017 ]
Acordo de livre comércio entre Mercosul ...

[ 12/12/2017 ]
Mercado de caminhões e ônibus mostra sin...

[ 12/12/2017 ]
Siderúrgicas devem fechar reajuste de 25...

[ 12/12/2017 ]
Design, tecnologia e segurança: a evoluç...

[ 12/12/2017 ]
Mineiros aderem a leilões on-line de máq...

[ 12/12/2017 ]
Reboques e semirreboques apuram primeira...

[ 12/12/2017 ]
Volkswagen conclui relatório sobre repre...

[ 11/12/2017 ]
Aplicativos vão além do tráfego...

[ 11/12/2017 ]
MAN projeta crescimento de 20% da produç...

[ 11/12/2017 ]
Um Brasil cada vez mais motorizado...

[ 11/12/2017 ]
Vendas de máquinas agrícolas perdem fôle...

[ 11/12/2017 ]
Presidentes esperam anunciar o acordo UE...

[ 11/12/2017 ]
Inspeção veicular será obrigatória até o...

[ 11/12/2017 ]
Anfavea apoia medida que obriga inspeção...

[ 11/12/2017 ]
Setor automotivo do ABC foi o que mais u...

[ 11/12/2017 ]
Mercedes-Benz desponta na liderança...

[ 11/12/2017 ]
Mercado de veículos na Argentina cresce ...




 

Data: 22/6/2012

MDIC estuda incentivos para setores químico e autopeças
 
A secretária de Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Heloísa Menezes, disse nesta quinta-feira que o governo estuda incentivos para as indústrias química e de autopeças. Sem detalhar o que está sendo avaliado e qual o prazo para o anúncio das ações, ela disse que há grupos de trabalho que avaliam diversas opções que ajudariam a dar competitividade a esses setores.

Segundo a secretária, medidas de incentivo para a indústria de autopeças são necessárias para garantir o abastecimento do setor automotivo nacional. "O regime automotivo mostrou sinais de necessidade de fortalecimento da indústria de autopeças", disse a secretária, enfatizando que não se trata de um ’pacote’, mas medidas pontuais em avaliação.

A secretária participou da abertura do Encontro do Comitê de Cooperação Econômica Brasil-Coreia, realizado na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em São Paulo. Em palestra, Byoung-jun Song, presidente do Instituto de Comércio e Economia Industrial da Coreia (Kiet), disse que no processo de reestruturação da indústria coreana, a partir da década de 60, o governo adotou medidas de proteção à indústria nacional.

Ao ser questionada se o Brasil segue o mesmo caminho ao estabelecer índice mínimo de uso de peças nacionais pelo setor automotivo, Heloísa rechaçou o termo protecionismo e disse que o governo brasileiro adota medidas para estimular a inovação e o investimento, inclusive por empresas estrangeiras no País. "Não considero essas medidas protecionistas e sim indutoras do desenvolvimento", disse.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Agência Estado/Wladimir D´A.