[ 15/9/2014 ]
Cenário muda e setor automotivo desacele...

[ 15/9/2014 ]
Volta do IPI em janeiro deve aquecer o m...

[ 15/9/2014 ]
Na Argentina, montadora terá dólar para ...

[ 15/9/2014 ]
Segundo semestre será melhor do que o pr...

[ 15/9/2014 ]
Rigidez no crédito segura a inadimplênci...

[ 15/9/2014 ]
Indústria de autopeças em decadência...

[ 15/9/2014 ]
Crédito para veículos aprofunda queda...

[ 15/9/2014 ]
Gol com juro zero, para recuperar as ven...

[ 15/9/2014 ]
Lamborghini já anuncia novo Huracán em S...

[ 15/9/2014 ]
App usa GPS e microfone de celular para ...

[ 12/9/2014 ]
Volvo e Geely planejam fábrica no Brasil...

[ 12/9/2014 ]
Medidas do governo elevaram crédito para...

[ 12/9/2014 ]
Vendas de automóveis sobem 4,3% em julho...

[ 12/9/2014 ]
Audi lança A3 Cabrio no Brasil...

[ 12/9/2014 ]
Novo Jeep Cherokee chega ao Brasil ...

[ 12/9/2014 ]
Carros da VW e da Hyundai irão testar co...

[ 12/9/2014 ]
Volare faz mudanças em seus veículos e l...

[ 12/9/2014 ]
Passat faz 40 anos no Brasil...

[ 12/9/2014 ]
Agrale fornece 131 ônibus com chassis MA...

[ 12/9/2014 ]
Emissão de gás carbônico no mundo tem ma...




 

Data: 22/6/2012

MDIC estuda incentivos para setores químico e autopeças
 
A secretária de Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Heloísa Menezes, disse nesta quinta-feira que o governo estuda incentivos para as indústrias química e de autopeças. Sem detalhar o que está sendo avaliado e qual o prazo para o anúncio das ações, ela disse que há grupos de trabalho que avaliam diversas opções que ajudariam a dar competitividade a esses setores.

Segundo a secretária, medidas de incentivo para a indústria de autopeças são necessárias para garantir o abastecimento do setor automotivo nacional. "O regime automotivo mostrou sinais de necessidade de fortalecimento da indústria de autopeças", disse a secretária, enfatizando que não se trata de um ’pacote’, mas medidas pontuais em avaliação.

A secretária participou da abertura do Encontro do Comitê de Cooperação Econômica Brasil-Coreia, realizado na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em São Paulo. Em palestra, Byoung-jun Song, presidente do Instituto de Comércio e Economia Industrial da Coreia (Kiet), disse que no processo de reestruturação da indústria coreana, a partir da década de 60, o governo adotou medidas de proteção à indústria nacional.

Ao ser questionada se o Brasil segue o mesmo caminho ao estabelecer índice mínimo de uso de peças nacionais pelo setor automotivo, Heloísa rechaçou o termo protecionismo e disse que o governo brasileiro adota medidas para estimular a inovação e o investimento, inclusive por empresas estrangeiras no País. "Não considero essas medidas protecionistas e sim indutoras do desenvolvimento", disse.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Agência Estado/Wladimir D´A.